23 abril 2021

Assistindo Big Brother para esquecer. E apostando na vitória da Juliette.

 Está triste, dificil, frustrante, assustador, desigual, injusto, tanta gente passando fome, morrendo de fome e de Covid, o que for mais rápido. Tanta gente desabrigada.

O Prefeito piorou de saúde, precisa se cuidar. Governador é você na fita. Faça tudo que puder, por São Paulo e pelo Brasil. No meio da desolação você trouxe um up para a vacinação. Você deu o start e respeito muito essa ação.

Portanto, coloco você no meu pódio, pensando como no Big Brother, só para brincar um pouco, descontrair um pouco. Nesse momento a Vih Tube não para de falar por que quis ser honesta, finalmente,  na conversa de tarde com um coleguinha  e finalmente foi para o paredão. Tão novinha e tão jogadorazinha. Meio chato isso. Nesse momento queremos ver pessoas bacanas para variar um pouco o cenário. Por isso aposto na Juliete para vencer essa temporada. Fiquei fã do programa, por causa da pandemia. Confesso que antes tinha um certo desprezo e horror. Distrai, alegra, nos tira da nossa cena. Entretenimento leve. 

 Então vamos dormir, após um chá de camomila. E continuar torcendo por esse país, por nós, pela vida. E também pela Juliette. 


08 abril 2021

A morte do menino Henry e a parte que nos cabe nessa vida.

 Essa pandemia nos pegou de surpresa, a todos. Temos assistido atrocidades em termos de gestão. Especialmente no que diz respeito a crise sanitária. Ainda assim quando acontece um crime como esse que está sendo investigado e que causou a morte do menino Henry, é preciso refletir ainda mais. 

Em 2016 assisti um belo docmentário, "  O Começo da Vida" , que fala sobre a nossa responsabilidade com todas as crianças desse planeta. São indefesas e não responsáveis pelo mundo do jeito que está. Não foram elas que fizeram tudo ser assim. Estão apenas vivendo as consequências. É preciso refletir mais sobre as milhares de crianças que estão morrendo de fome na periferia das grandes cidades. Sobre as crianças que perderam seus pais para o covid. Mas também sobre a violência doméstica. Essa que supostamente está restrita a um ambito privado. Não está. Por isso, ao ver qualquer sinal de maus tratos com crianças, denuncie. 

Ouviu gritaria na casa do vizinho, na rua ?  Objetos quebrando, crianças chorando, denuncie. Passou uma mãe torcendo o braço de uma criança, chegue mais perto, converse, as vezes uma palavra salva. Briga de marido e mulher? Meta a colher sim. É com você. Com nós todos.  

Minha primeira campanha publicitária foi sobre violência contra a criança, acabei de me lembrar. Faz tempo. Muito mais tarde, comecei a aprender como reconhecer sinais de violência no corpo da criança.

Chegou na escola com manchas roxas? Foi brincar no parquinho com marcas de dedos? Está mais caladinha do que sempre?  Tem olhar amedrontado? Não sabe? Não prestou a atenção? Então vamos prestar a atenção e ajudar as crianças mais próximas de nos, a se livrarem dos maus tratos, dessa injustiça imensa que é estar indefesa na mão de adultos.  

Não sei como esse caso,  que desconheço,  vai se resolver. Os indícios parecem dizer muita coisa. Mas ele nos serve para pensar a respeito de nossa própria conduta diante das crianças da face da Terra. Elas são nossas crianças, nossos jovens ( hoje tb uma reportagem de uma vizinha que bateu em um jovem autista, onde nós estamos não é? ) 

A omissão, o "não tenho nada com isso", nos faz cúmplices ou no mínimo, co-responsáveis por uma vida mais sofrida e as vezes irrecuperável. de uma criança. 

Deixo aqui o link da postagem sobre o filme que mencionei.

Camélia de Pedra: PARA CRIAR UMA CRIANÇA É PRECISO UMA VILA. Quer fazer uma coisa boa? Assista "O Começo da Vida". (cameliadepedra.blogspot.com)




21 fevereiro 2021

Faz parte do meu show, faz parte do meu show, meu amor.

             Que a vida tem sido um "clipe sem nexo" só nos resta constatar. Ainda assim resisto. Resistimos. A piscina pode estar cheia de ratos, e está. Quando não esteve?  Mas agora me dou conta, que passamos de todas as medidas. E que talvez nem Cazuza em sua infinita poesia tivesse uma letra para dar conta, dessa vez. Acabei de assistir o filme "O Tempo Não Pára". E não pára mesmo. Parece que foi outro dia, eu fazia o retorno em um posto na Lagoa( Rodrigo de Freitas) indo em direção a Fonte da Saudade, quando escutei a notícia: Cazuza morreu.  Não parei, ou parei o carro? Não sei, mas fui chorando até o meu destino. E ainda choro hoje ao ver essa potência criativa, Cazuza, presente nas suas letras, no seu jeitão de filho mimado e ao mesmo tempo combativo com os horrores da realidade, tão bem representado pelo ator Daniel Oliveira. Sua mãe, Lucia Araujo, Marieta Severo. E seu pai o diretorzaço da Som Livre, pelo Reginaldo Farias. Direção de Sandra Werneck. Maravlhosa. Pelo timing do filme. Pela capacidade de retratar uma vida tão breve e tão intensa como foi a desse menino, que fez tudo rápido. Como se ja tivesse a certeza desde sempre de que nada é garantido. 

        Que cada um de nós possa fazer o nosso melhor. Aproveitar do nosso talento para deixar uma marca, um timbre, uma voz. Como fez Cazuza. Ou não. Morrer é uma certeza. Viver é uma escolha. Seguir desejante, "faz parte do meu show, faz parte do meu show meu amor". 

( frases da letra "Faz parte do meu show, de Cazuza)