29 janeiro 2012

Nós somos os Marinheiros dessa Nau Catarineta.



Faz muito tempo, eu não sei, eu não vi. Mas eu lembro... A noite quase escura, e  nas agitadas ondas do oceano Atlântico partia uma nau fantasmagórica. Até hoje aquelas vozes que nem sei se existiram estão em meus ouvidos: Mariariariariaria!!!!  Mescladas com o barulho das águas do mar que chacoalhavam  no casco da suposta embarcação. Pois dizem que ela existiu, saiu do porto de Olinda levando o dono da capitania hereditária de Pernambuco, de volta a Portugal. Não sei, alguém sabe? Se chegou ao seu destino : era a Nau Catarineta.

O tira o leu, leu leu
Tira o Léu da Marieta,
Nos somos os marinheiros,
Dessa nau Catarineta....

  Muitos anos passados, meu pai queria me levar a uma igreja de um colégio,  para assistir uma “Louvação”. Se eu fosse uma adolescente de agora, daquelas bem contestadoras diria de uma vez: “o que???? Cheirou, bebeu, fumou?” Mas eu não era tão rebelde assim e disse: não vou nisso não. Ele precisou me convencer de que era um espetáculo teatral que ia ser encenado naquela igreja e que diziam, era muito, muito bonito. Fui. Amei. E fiquei conhecendo artistas brilhantes: Cecília Conde, Fernando Lebeis, Lourenço Baeta e Caique Botkay. Esse  me deu uma vela acesa para eu segurar durante aquela celebração e eu fiquei ainda mais feliz. Não era missa,  era mesmo uma louvação, toda cantada com as lindas vozes daquelas pessoas. Alguma coisa definitivamente tinha se acrescentado ao meu destino.

Tempos depois o mesmo grupo estreava uma peça no Teatro da Lagoa, que acho que nem existe mais. A “Nau Catarineta”. E seus tripulantes, quase os mesmos da “Louvação,” com o acréscimo de um: David Tygel.
Quase todos eles, ou talvez todos eles vinham da Musicoterapia. E a encenação daqueles versos de tradição oral do folclore, era concebida com a mesma diversidade de instrumentos alternativos, de pesquisa musical, que a Musicoterapia convidava a experimentar.

Cada ator tinha um aquário com água, de onde em muitos momentos mergulhavam as mãos e faziam, aparecer o som do mar. E a iluminação do palco?  Era feita por lampiões. Como talvez fosse a iluminação de uma nau em 1500 e tanto no Brasil ou em Portugal.
Um trabalho artezanal, cuidadoso, original, moderno. Uma beleza sem fim que  assisti um tanto de vezes.  E adoraria ver novamente. Se houver um registro, uma filmagem.

Nos anos seguintes tive mais contato com algumas dessas pessoas. Fui estudar Musicoterapia e um horizonte de conhecimentos novos se abriu para mim. Um dia eu conto, por que tudo isso é parte linda da minha história.

Por agora,  mando um abraço apertado aos tripulantes da Nau Catarineta. Em especial para Cecília Conde que vou amar rever algum dia.
Como aprendi com essa pessoas maravilhosas. Me emociona que o Brasil tenha essas criaturas tão especiais. E quem tiver inteligência que aproveite e não deixe passar.

Fica aqui a  homenagem, da minha lembrança- "e quando o mar balança o barco, eu tenho recordação"... Uma letra que decorei e cantei muito, adolescencia afora, com meu violão: 

"Vamos ver a barca nova
Que vem do céu
Caiu no mar
E Nossa Senhora vem junto
Olerelere,
Com os Anjinhos a remar...
São José seja o piloto
E São Joaquim seja o capitão
E Maria que é Mae da Gloria
Que é a mãe da consoloção
Nos embarcava na prancha
E o povo em terra
Chorando Adeus
Adeus ADEUS
Barra da França....
A-Deus"
E uma boa dica: levem seus pimpolhos ao Teatro, aos museus, pesquisem os livros do folclore brasileiro e de outros países. Tudo isso é vida, é estímulo para a inteligência. Tudo isso é amar e é EDUCAR.
Espero que eu esteja conseguindo dar para minha filha que ainda é uma guria, tantas coisas boas que recebi na vida. E venho me esforçando. No próximo "capítulo" vocês serão apresentados ao Ilo Krugli, se é que já não o conhecem, esse Mago, fabuloso fazedor de sonhos.

Dedico essa postagem aos Portugueses que todos os dias vem aqui prestigiar o que escrevo. Muito obrigada amigos.



5 comentários:

  1. Ah teatro é tão gostoso. Adoro. Infelizmente não são todas as peças boas que tem preços acessíveis.
    Cam, coloquei uma enquete no blog sobre o galã cinquentão para o próximo domingo. Dá uma olhada e vote.
    Big Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi, Cam...

    É uma dádiva esse dom da arte, da cultura. Representar, cantar, compor, escrever... tudo muito útil pra gente!
    Coisas tão simples em nossa juventude e que marcam tanto. Tem coisas que mesmo que passem anos e anos, ainda me lembro de tudo, de cada vírgula.
    Isso sim é importante pra gente.
    Vamos aguardar a outra lembrança sua, então.

    Beijossss

    ResponderExcluir
  3. Cam, adoro teatro e qdo dá levo as criancas. As ecolas daqui levam as criancas ao menos uma vez no ano.

    Vamos lá as tuas perguntas:

    Christian e eu: Peixes
    Daniel Cancer
    Viviane Leao na Europa, Virgem no Brasil.

    Como?

    Pois é pela diferenca de horário, ela na Alemanha é leao, último dia.
    23.08 no Brasil ela é virgem.

    Bjao

    ResponderExcluir
  4. Camille, mais tarde volto com calma para ler voce. Mas queria, rapidinho, agradecer seu comentario.

    Nossa... nem havia pensando naquela possibilidade. Será?! rsss O negocio, se arrasei com ele (the heart), nem sei direito como ele é.... kkkkk

    BEIJOS

    ResponderExcluir
  5. Cam,
    O que eu acho é que quando o jovem se abre para aceitar coisas novas, diferentes daquilo que convive sempre com o mesmo grupo e idade, quando vão assim, levados pelas mãos de pais, tios ou amigos e descobrem o mundo, ficam mais seguros e abertos às novidades. E o resultado é isso, ou seja, pessoas que crescem culturalmente.
    Tomara que sua filha aproveite toda essa dádiva que tem através de você.
    beijinhos cariocas

    ResponderExcluir


COMENTE, DÊ A SUA OPINIÃO. Você é a pessoa mais importante para quem escreve um blog: aquela que lê, que gosta ou não gosta, e DIALOGA.
Bem vindas. Bem vindos. Você pode comentar, escrever seu nome e para facilitar, clicar na opção "anonimo", ou pode se inscrever e comentar. Acho a opção, que se coloca o nome e uma forma de contato, + a opçao anonimo, VALIDA. Grata e aguardo seu comentário.