01 agosto 2013

Transforme seu coração duro em um coração valente, novamente.

Aquilo que falamos, como dizemos, qual o momento que escolhemos para dar o recado e o efeito que isso provoca nas outras pessoas;  é assunto para se pensar, sim. Sempre. E não só no papel.

Durante uma porção de anos, trabalhei com Marketing Direto. Um ramo da Publicidade também conhecido como "Marketing de Relacionamento", que pode chegar ao extremo cuidado, através do "Marketing One to One",  de  falar exclusivamente com cada  cliente, a partir de um conhecimento aprofundado de seus hábitos, para lhe oferecer um produto, agradecer a escolha de um serviço, perguntar se está tudo bem com alguma coisa que tenha comprado. Se deseja por exemplo, trocar de carro, já que o atual já está completando X anos.( dependendo da frequência com que essa pessoa troca de carro. Ou da frequência que a empresa de automóveis queira que ela venha a trocar).

Para tudo isso, existe um tipo de interação que em Psicologia se chama  "rapport': a capacidade de criar  empatia, e uma comunicação que flui, possibilitando assim uma aliança. Em qualquer situação ou lugar, é recomendável que se tenha um bom "rapport". Tanto que, é de grande importância que  aconteça em um primeiro atendimento a alguém que vai pedir ajuda em qualquer serviço de Saúde: psicólogos, médicos, fisioterapeutas, etc. Por que?
                                              Empatia é possível. Tem é que descobrir o jeito.
                                               Por que jeito tem.: quem prefere cara feia no lugar
                                                  de apoio, de carinho, de camaradagem?

O cliente precisa confiar em quem vai lhe meter as mãos no corpo ou na cabeça. Muitas vezes, no bolso também.  Já imaginou ser tratado(a) com estupidez ou desdém ao buscar ajuda para seu sofrimento? Da mesma forma, já pensou em voltar em alguma loja onde tenha rolado o maior estresse com o vendedor que atendeu você? Ou manter-se fiel a uma marca que só chega perto para pedir-lhe que compre alguma coisa?  Por que? Se tantas outras tratam você com o maior carinho e são igualmente boas?

Não é novidade que o  meio publicitário é composto por gente de muita garra, talento e vontade de trabalhar. Virar várias noites por uma boa  campanha nunca foi sacrifício para mim e nem para a maior parte dos colegas que tive nessa profissão. Mas... e como diz um grande amigo sábio, "tudo tem um mas"... essa tenacidade com que se luta para colocar o produto do cliente la no alto, assim como o seu próprio salário e seu lugar no mercado, mutias vezes perde o prumo e se transforma em agressividade feroz.
                                         Publicitário amigo, será que você realmente
                                                         é o que pensa de si?

 Já me vi no papel de tentar defender pessoas menos capazes de revidar rasteiras brabas, de outras mais estressadas e que no lugar de cobrar trabalho, abusam do poder. Não gosto de testemunhar esses embates. Calar nessas horas me parece uma . omissão um tanto covarde, onde convivem tantos valentões.  Mas... também não sei se algumas vezes, por excesso de zelo e dó, extrapolei,  e fui eu mesma, "over" com o  opressor. Contribuíndo com a minha pitada de  estresse no ambiente já em plena exaltação.

Hoje, depois de alguns bons anos atendendo pessoas em consultório, e vendo a imensa distancia entre aquilo que se fala e o que se pensa ter dito. Entre o que se  fez e o  que se  pensa ter feito. Entre a versão dos fatos em um dia de bom humor e a versão dos mesmos em um dia mais depressivo, noto sem nenhuma dúvida que, aquilo que acreditamos que somos, que os outros são, que o mundo é, é completamente volátil, entre aspas,  e pode nos levar a  imensos enganos. (quem não ama até hoje a campanha da Fallon McElligott para a Rolling Stones: Perception X Reality? Pois é: a maior parte de nós age SEM NOÇÃO.
                                 Se perguntasse aos seus colegas, será que confirmariam
                                          a sua percepção? Vamos pular esta parte? Tá...

Quando fazemos um gesto, uma ação, a isso vai corresponder uma reação. Sabemos disso na escola. São as leis da Física. Aprendemos também no Marketing Direto: nossa forma de comunicar tem um alto percentual de influência na venda de um produto ou serviço. Nos resultados. Por que então.... o ambiente de trabalho... se comportaria de forma diferente? O nível de estresse com que tratamos uns aos outros, influencia diretamente na  pro-du-ti-vi-da-de. Podemos optar em colaborar com o  adoecimento do lugar de onde tiramos nosso sustento, ou com a qualidade de vida de todos. Que vem a ser, a única garantia de prosperidade.
                                               Você já se maravilhou com esse  mundo?
                                                 Ele continua sendo lindo e sendo teu.

Todo mundo sabe a diferença entre tratar bem e tratar mal. Entre a resposta "executiva" ,"telegráfica", "eficiente" e a ostensiva necessidade de demonstrar indiferença. Essa necessidade vem de onde? Do medo de ser agredido ou da defesa de uma possível agressão. O medo está presente na selva onde caçamos o alimento, sim.  Então calm down., baixemos a guarda. Não é nesse sentido que somos feras. Do presidente ao motoboy, todo mundo é gente.  Independente dos holerites, todo mundo sente.  Se o colega é da sua empresa, ou da outra concorrente, ainda assim é colega, bacana, pessoa. Indio e cara pálida são da mesma espécie (sofredora). Mesmo que tenham  vontade de esganarem-se, pelo simples fato de que a  tribo do outro lado da rua,  possa ameaçar.  Bobagem, seu lugar ao sol de hoje, pode ser só sombra amanhã. Ou quem sabe, pode ser justo o lado de lá. Pensar estratégicamente é desenvolver a cada minuto,  a sua habilidade de aguentar pressão, até que ,por hábito, sua ansiedade desesperada,  se transforme em bom humor. Já imaginou que bom? Você pode e deve lutar por esse patamar.
                                                     Pra você voltar a ser muito
                                                            feliz no trabalho.
                                                
Por que  grande ameaça  mesmo,  é sofrer sem saber. Embrutecer sem notar. Viciar em estresse e pensar que a vida é isso.  Por qualquer  contratempo besta, botar pra quebrar, para comprovar sua   " agresssiva competitividade ". E  isso lá é competência?  Isso é perfil do " cara que tem tudo para vencer". Nada disso povo. Enxutos nas idéias vamos ficando quando desconhecemos a semelhança do semelhante ali ao lado.  Quando nem notamos o que se passa com aquela pessoa , para além do cargo que ocupa.
                                              Eu gosto de você. Quer ser meu amigo?

  Tentando rimar insensíveis e intolerantes com criativos e brilhantes, a coisa vai longe. Extrapolando para conjuges, filhos, amigos em geral, e principalmente o espelho. O bom e velho espelho que traiçoeiramente pode dizer de manhã: "vai fundo, você é o melhor". Mesmo depois de uma noite insone, cheia de dúvidas quanto   a propriedade e a qualidade da própria alma.

Vamos combinar:: quem já não foi tremendamente cretino num ambiente de trabalho?  É de  parar para pensar.  Não pode parar, como assim? Time ainda é money? Pensei que "time" já fosse bem-estar e saúde no trabalho. Será que estacionamos no tempo?

. Escolha já o melhor para você. Para os seus amigos, parentes, colegas de trabalho, para o seu quinhão de humanidade. Por que um dia, mesmo com todos os prêmios, todas as glórias, todas essas coisas que parecem nos colocar no olimpo da vida eterna, seu coração tão duro, também vai parar.  Isso é a única certeza que se tem. O resto,  é conversa fiada.
                                              Você não precisa bancar o durão: todo mundo
                                                     tem seu nariz de pallhaço.
               Vem. acorda. Saia desse rodamoinho.  Respire, toque nos seus braços, suas pernas. Sim, você existe. E é mais importante do que a campanha do ano, o anúncio que deve ir  para Cannes, o filme genial. Você é você.  Corra para o espelho e veja. Melhor, pergunte ao colega ao lado o que ele está vendo ao olhar para você e ele lhe dirá. Ainda bem, você vive e ainda consegue se comunicar, salve! O texto. Salve o lay-out, salve o que você estiver fazendo. E vem cá, dá um abraço, vamos comemorar.

                                                A GENTE SABE, A GENTE É LEGAL.
                                                    E TOPA TRABALHAR COM MENOS
                                                          NEURA. OBA!!!!


              " A publicidade é uma das formas mais interessantes e difíceis da literatura moderna".
                                                        Aldous Huxley
imagens encontradas e emprestadas do Google. Coloque aqui seu direito autoral, e obrigada pelo emprestimo.
Pela memória de  S. M. ( leitor do "Livro dos Abraços") que morreu em "combate.", na reconquista do auge de sua agência, no Paraná.

8 comentários:

  1. A agressividade no ambiente de trabalho é tema para muitos posts... Percebemos quando tem gente que tem problemas da porta da empresa para fora e carrega-os lá para dentro mirando, apontando e descarregando em todos. Isso quando não é o inverso, faz a colheita da agressividade nas situação estressantes do meio laboral e carrega tudo para explodir na rua, no trânsito ou nos filhos.

    Precisamos reconhecer um ao outro no quesito fragilidade. O bonzão dos bonzões tem defeitos pontos fracos também.

    É chato discutir patifaria... O ambiente de trabalho é só um parte do cotidiano. A vida mesmo acontece na intimidade da nossa (r)evolução pessoal. Os resultados, todos ao nosso redor colhem. Se optamos por nos tornarmos pessoas melhores ou se optamos pela estagnação, todos ao redor sentem e vivem isso.

    O que mais gostei no TED que assisti da Sheryl Sandberg foi ela dizer que não sabe se as mulheres devem optar por seguir a carreira profissional tentando equilibrar com filhos/família, porque é difícil (isso todo mundo já percebeu). Porém, em se optando por isso, que o faça, efetivamente! Que o façam! E ela disse como.

    Bjs,

    Michelle

    ResponderExcluir
  2. Sabe Michelle, os piores ambientes que vi, foram em free-las. Onde não só a gente não fica( de jeito nenhum) - como tem olhos para ver o que acontece e quem está ali todo dia, não consegue perceber. Então a fulana que é agressiva demais sabe-se la por que, acostuma a fazer sei la quem de saco de pancada. E a outra pessoa aceita, como se fosse normal. As pessoas não fazem as refeiçoes, não fazem ginastica, não tem nenhum lazer. E só não é enlouquecedor, por que mesmo nos ambientes menos agradáveis, desses que a gente prefere nem passar na porta- os colegas AMAM o que fazem. Então muitas vezes fica aquele talento ao relento. Já as agencias em que trabalhei efetiva, sempre houve uma cooperação mais humana, chefes com essa noção de qualidade de vida. Pessoas que gosto muitissimo ate hoje. Amigos. Mas sei que os ambientes estão cada vez mais adoecidos, Bancos, hospitais mesmo. escritórios de advocacia gigantes. Não tem gente, tem feras confinadas. Adoro Psicologia do Trabalho. Adoro o ambiente-saudável- de agência. É tão simples deixar as coisas nos eixos. Admiro os chefes que ja tive com essa capacidade. E a minha própria capacidade de ser chefe. Embora preferisse ser redatora somente, por que a criação é tudibão, ja passei por isso tb. E é como diz vccê, é preciso reconhecer a fragilidade um do outro. É todo mundo gente. A "patifaria" não precisa ser discutida, por que não é para existir. Onde se ganha o pão tem que ser ambiente de cooperação. Faz todo o sentido isso. E dá para escrever um livro sobre assunto tao rico. Bjao!!!

    ResponderExcluir
  3. Mais um daqueles textos em que a gente vai lendo, vai entrando nele e as lembranças vão surgindo... não mais lemos o texto e as lembranças ficam cada vez mais fortes... voltamos ao texto e nos damos conta que agora é real, os corações duros continuam duros, mas nosso coração voltou a ser um coração coração, como tem que ser todo coração.
    Camille, eu sempre digo isso, que cada um é cada um. Eu participo de uma BC ao qual tem uma imagem e cada um descreve uma frase com 140 caracteres. É impressionante como cada um vê a imagem de um jeito. Mesmo qdo é tão óbvia, há diferenças de interpretação. Acho que a vida, nós, nossa aparência, é bem assim também. Cada um nos enxerga de uma forma, porque damos de nós o que queremos dar ou o que temos pra dar. No fundo, no íntimo, só nós mesmos sabemos como somos e nos enxergamos como somos. Isso é fantástico!
    Qdo comecei a escrever contos, com muitos comentários que tive, uma pessoa, uma amiga virtual muito querida, um dia me disse que eu era tão solicitada, tão isso, tão aquilo.... e sei que não sou dada disso. Mesmo as pessoas que me conhecem, pouquíssimas, acho que umas 2,sabem como sou realmente. Isso é fabuloso, ou não, porque talvez criam expectativas com a gente que não somos. Esperam algo que não somos capazes de fazer, ou não esperam nada e se surpreendem com alguma atitude que temos.
    Voltando aos corações duros... Eu vivi num clima bem coração duro, desde sempre e até depois de casada. Com o tempo meu coração ficou duro também, acho que por defesa, não sei. Andava sempre armada a dar respostas à altura do que me diziam. Às vezes nem esperavam terminar a frase e já soltava as minhas. Depois de tudo, resumindo, fui voltando a ser o que sou hoje, o que sempre fui. Tive que voltar lá na infância e me ver novamente, inocente, ingênua, alegre, inventiva, curiosa e trouxe essa menina de volta, porque, apesar do clima pesado que convivi, minha alma era e é leve....
    Hoje não suporto grosserias e sou capaz de defender alguém que não sabe que atitude tomar, qdo recebe uma dessas grosserias de graça. Nada melhor do que prestar atenção na pessoa como única, e nada melhor do que uma boa conversa pra saber como poder ajudar, se for o caso de ajudar.
    Pronto, escrevi uma redação pra vc ler!

    Um ótimo fim de semana, um beijo e um abraço bem apertado, amiga querida!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então dona Clarice, quantas associações bacanas você fez, de uma ideia, muitas outras. Criativa e inteligente, como sempre. Você certamente é muito mais interessante do que imagina. De perto ninguem é normal, todo mundo é excepcional. Quem tem olhos que veja, e ouvidos que escute, não é? Por defesa sim, os coraçoes endurecem. Mas podem ser um pouquinho mais moles, pero valentes!!! Como o seu, que bate forte por todas as coisas bonitas dessa vida. Ninguem tem que suportar grosseria nenhuma voce está certa. E certa tb quando entendeu que esse texto serve para todos e não apenas para publicitários que estáo certamente trabalhando a essas horas sem tempo de ler os nossos bloques.
      Continue assim, de olhos bem abertos. E bem azuis, que bonitos. E a vida ja ja vai te proporcionando grandes momentos de alegria, por que voce esta correndo atras. Bjao e bom final de semana!!!!

      Excluir
  4. realmente há uma grande distância entre o que se fala e o que se faz. nem sempre percebemos, mas eu luto sempre para ser coerente com o q falo e com o que faço. claro, há planos que pensamos em fazer e não fazemos. ações que sonhamos e não conseguimos realizar por medo. mas muitas vezes falamos muito e fazemos muito pouco. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  5. É mesmo Pedrita, e nem adianta andarmos com a fita metrica no bolso. Precisa de uma trena ou instrumento que va a maior distancia. Nesse caso, é o tal em que "o silencio é de ouro" como diz o povo. O que nos impede de realizar seja o que for, começa com n e termina com e: neurose. E ai chamamos de medo, de muitas coisas. É paralisante sim. E daí? Vamos em frente, valentes, que não significa sem medo, mas capazes de supera-lo. Ali no texto estava enfatizando mais a necessidade de empatia. Mas teu comentario é bem pertinente e inteligente. Muito grata. Bjos!!!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, adorei o Blog. "Ser ou não ser, eis a questão" (adoro) me li no tanto que escreveste e vou te dizer que não é fácil. Sou ansiosa por natureza, romântica ao extremo e me deparo com pessoas céticas ao ponto de me deixarem sem fala. Estava numa firma familiar onde o sorriso era de graça, o bom dia vinha de dentro e havia o fio do bigode, tipo assino embaixo. Hoje, falando hiperbolicamente, uns comem os outros. A fofoca é o auge nas situações. O exemplo vem do dono, não? Pois é... cansei de lutar sozinha e meus princípios são básicos e deles não abro mão.
    Beijo minha querida e parabéns.

    Patricia, irmã da maga (rs)

    ResponderExcluir
  7. Ola Patricia,
    Não tinha visto sua mensagem antes, ( hoje é dia 23/8), aqui tem esse problema de nao ter a data. Preciso de ver quando as pessoas postaram alguma coisa.
    Ja faz tempo que não estou nesse ambiente que descrevi, isso foi uma lembrança. Trabalhei em alguns lugares muito bacanas, de pessoas que sao amigas ate hoje, estao no meu FB. E em outros super estranhos sim. As pessoas em geral tendem a ser agressivas no ambiente de trabalho, como se fosse uma selva onde vão caçar. O que fazer? Tentar entende-las. É mais a minha "praia" hje. Embora ainda adore essa praia publicitaria. Onde fiz bons amigos, alem de ter conhecido uns outros,menos amigos.
    Bjos querida. Obrigada pelo comentario.

    ResponderExcluir


COMENTE, DÊ A SUA OPINIÃO. Você é a pessoa mais importante para quem escreve um blog: aquela que lê, que gosta ou não gosta, e DIALOGA.
Bem vindas. Bem vindos. Você pode comentar, escrever seu nome e para facilitar, clicar na opção "anonimo", ou pode se inscrever e comentar. Acho a opção, que se coloca o nome e uma forma de contato, + a opçao anonimo, VALIDA. Grata e aguardo seu comentário.