31 maio 2013

A escola é uma escolha: como construir, em parceria, o futuro dos nossos filhos?

   A sala de aula onde foi marcada a reunião das três turmas, estava repleta. Pra que marcar na véspera de um feriado prolongado, as 19h?Pensei.  Bom...era a data e a hora que dava. Entendi E valeu muito:
 
  Há três anos quando tirei minha filha da escola "patricinha" onde ela estudava e procurei alguma coisa parecida com o colégio que estudei no Rio de Janeiro, estava optando sim, por um grupo de educadores e pais  que considerassem a relevância de uma reunião necessária e importante sobre o que vem sendo ensinado, e como vem ensinando aos nossos filhos e alunos dali, fosse na data que fosse.

   A orientadora educacional abriu a reunnião. E o diretor pediu a palavra,  parabenizando os pais por estarem ali  naquele momento,  para discutir o bimestre que passou, e o que virá.  Disse que tiveram um mês puxado, saindo da escola todos os dias depois das 21h, para conseguir colocar a programação  nos eixos. Por uma coincidência, três professores foram substituídos com o ano letivo em andamento: uma professora se ausentou por dois meses por motivo de saúde, e dois outros saíram por motivos pessoais e justos, deixando saudades nas crianças. Mas obrigando a equipe da escola a selecionar e monitorar a adaptação desses novos mestres que vieram suprir a falta.

                                         
 Em seguida cada professor falou um pouco e profundamente da sua disciplina, de forma inusitada: em duplas, em trios, em grupo. Isso me derreteu o coração. Michel Foucault já  dizia, em 1970,  em " A Ordem do Discurso", livro-texto escrito para uma aula inaugural em uma universidade na França, que mesmo a separação dos conteúdos em disciplinas que a nós parece coisa tão lógica e inocente, é uma forma de categorizar e controlar o saber. Nada é estanque, tudo está relacionado a tudo. E dividir é tirar do sujeito a capacidade natural de perceber o todo, com a singularidade do seu olhar para esse mundo que vem sendo a a fonte de tantas des-cobertas. É cobrir, tamponar a possibilidade de crítica, como a gente vê na maior parte das escolas. E aceita de bom grado. Por que também estudamos assim, a maioria de nós.

  Juntas,  a professora de História e a de Matemática, que  estão em uma linda parceria, ensinando o que foi a "Idade Média", contaram como  estudaram e fizeram muita pesquisa-  a escola  não utiliza livro didático com as crianças, o conteúdo é criado e organizado para cada turma. Enquanto o Feudalismo e  suas nuances de economia,  poder e costumes sociais foi sendo desvendado, a professora de Matemática pode mostrar que a Geometria e a própria Matemática estão presentes em  tudo, na vida cotidiana. As duas mestras fizeram com os alunos, uma grande exposição. Enquanto isso a professora de "Língua Portuguesa" acompanhava a leitura de Dom Quixote. E assim, somando com  a dupla da Idade Média, viraram três. E pediram as crianças,  a elaboração de contos baseados em tudo que viram e ouviram. Esses verdadeiros livros, preparados em folhas enormes, feitos por grupos de três, foram ali passados de mão em mão. Bem escritos, com desenhos na capa cheios de estilo: "iluminuras". Com todos aqueles dourados e letras rebuscadas, estética da época.
                                               private-schools.findthebest.com –

O professor de Geografia, que também é o tutor das três turmas do ano da minha filha,  mostrou o quanto era interessante os diferentes registros cartográficos, de acordo com as conquistas, os impérios, as mudanças históricas que iam se processando. Como tutor- essa tutoria foi introduzida este ano- explicou que a escola tem feito através dele,  um trabalho de aproximação maior com os pais. E de fato, este ano sinto que estou mais ali, sendo ouvida ao levar as necessidades da minha filha e ouvindo com mais atenção a proposta pedagógica.
                                           www.goldmadesimplenews.com
                                          
   A professora de Ciências e o professor de Filosofia formam uma outra parceria, que procura levantar temas que interessam ao universo desses meninos que estão entrando na adolescência. E que temas: vida após a morte, ETs,  partículas atômicas. Tudo a ver com esse momento do desenvolvimento, onde se busca independência, entendimento de si e do outro, dar conta das transformações que acontecem em seus corpos e suas cabeças pensantes. A proposta dos mestres nesse caso, é  tirar do abstrato, e fazer com que essas questões gerem novas questões e mais vontade de conhecer. Distinguindo o que hoje já pode ser chamado de "científico" e mostrando o quanto essa concepção do que é ciência e saber também vai mudando ao longo da história da humanidade .

  Claro que isso tem um preço: causa ansiedade em alguns pais que ainda estão muito presos ao ensino estabelecido como a "ordem". Então alguns deles manifestaram seu descontentamento com coisas como prazos, critério para notas, conteúdo que "deixa as crianças" perdidas. A orientadora Educacional e o diretor procuraram  mediar, mostrando que, mais importante do que cumprir apenas um programa rígido e igual todos os anos, é dar amplitude no pensar dos nossos filhos. Vibrei, de verdade.
                                             foto de image bank: escola na Ásia

  Aí chegou a hora de  falar de um passeio de três dias que farão, um "estudo de meio". Ali, pedi para manifestar uma angústia da minha filha: alguns alunos bolsistas,  não poderão ir, por que os pais não tem recursos para pagar. Imediatamente outros pais sugeriram de fazermos uma caixinha. O diretor respondeu que em nenhum ano os alunos que quiseram, deixaram de participar.  E que qualquer dificuldade,  eles irão resolver como escola, mas que se necessitarem da nossa ajuda, pedirão sim.

  Ali vi a dimensão do que é dirigir uma escola, principalmente quando ela tem um compromisso com uma determinada leitura da realidade e uma prática para a liberdade, como sempre quis, nosso grande Educador, Paulo Freire. E nós pais também queremos, mas as vezes sentimos medo, insegurança. Aquilo que vai no cabresto é muito mais prático, fácil e demanda menos esforço. Participar da construção de uma escola, em que os pais, alunos e mestres mantém uma  dialogação constante, onde o saber não é um modelito standard, mas uma elaboração conjunta e  dinâmica, dá muito mais trabalho. Faz com que todos abram mão de um feriado prolongado. Mas vislumbra um horizonte mais largo, iluminado e esclarecido para nossos filhos.

Em um país onde a Educação é ainda privilégio de poucos, uma escola como essa é agulha no palheiro. Só posso estar feliz por essa escolha acertada. Minha filha está entusiasmada. Superando seus obstáculos, aprendendo de uma forma diferente. E diferente nesse caso, significa melhor.
                                          Não basta ser espectador, tem que participar da cena.
                                       
Parabéns a toda a equipe, por tudo que vi e ouvi. Contem comigo nessa comunidade. E sugiro aos papais e mamães que estão buscando um bom colégio para suas crianças, que pesquisem muito, até encontrarem um que respeite as diferenças, que perceba a subjetividade de cada indivíduo. Assim  terão a certeza de que seus filhos estão sendo bem tratados. E não bem treinados. A vida mais do que nunca exige abstração, criatividade, capacidade inventiva, associação de ideias, visão de futuro. Competências que se adquire em um meio ambiente de repertório rico, que promova autonomia no pensar. E essa ambiente não é mais só a casa da gente. Existe um lugar onde o mundo também se apresenta de um jeito muito especial: a escola. Aquela que você escolher como a melhor para seus filhos.
No mundo inteiro se comemora a possibilidade de estudar. Ou se luta por ela. Se você tem o privilégio de escolher a escola para seus filhos, agarre essa oportunidade e faça o seu melhor.


Todas as fotos de image bank. Nem todas consegui copiar o site, da busca no google.

12 comentários:

  1. Oi, Camille!
    Apesar do que a sociedade tem feito denegrindo a imagem do professor, ele tem se mantido vivo nas mentes de crianças que aprendem em casa o que é respeito e valorização do profissional. A escola é parceira, mas não é a responsável pela educação dos nossos filhos.
    Importante: Assista o vídeo que postei hoje na minha página pessoal do facebook, fala do que a escola é capaz de fazer com a mente das crianças quando a criatividade não é respeitada.
    Bom fim de semana!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou ver Luma. Com certeza, a escola não é a responsável pela educação de nossos filhos. É parceira. Dar a ela esse papel absoluto seria abrir mão da nossa participação.E ainda , encarrega-la com um ônus que retiraria a sua força para aquilo que é a sua função. Cada vez mais distorcida sim, mesmo assim, algumas delas são capazes de se manter integras, de qualidade, e sempre inovando para permanecerem as mesmas.
      Beijos!

      Excluir
  2. Oi, Cam.

    Obrigada pelos conselhos. Vou lembrar disso quando estiver nessa fase e quando precisar procurar escola no Brasil. A escola da minha filhota aqui eu gosto bastante, particularmente da professora. Grande parte da minha decisão em mantê-la nesta escola vem da minha relação com a educadora e dela com as crianças. E ainda nem é jardim, é pré-escolar. Por isso, sei que ainda há muito por vir e que é preciso muita atenção na hora de escolher a escola.

    Bjs,

    Michelle

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho certeza que com sua inteligencia tão brilhante e afetividade enorme, vai saber encontrar sempre o que for melhor para teus filhotes. Aqui em SP é um bocado dificil. Não tem a abundancia de escolas que tem o Rio de Janeiro. E tambem lá conheço as coisas desde sempre. Ate as pessoas que estão trabalhando nas escolas. Aqui o olho tem que ser muito vivo mesmo. Mas acredito que todo lugar tenha pelo menos uma escola boa, onde se possa confiar a parceria na educação dos filhos. Nem que seja super longe, como é o caso da escola da Anna. Bjos!!!

      Excluir
  3. quando me falam que não gostam de uma matéria sempre penso se não é pq o professor não os inspira. claro, nem tudo gostamos, mas às vezes é o professor q pode até ser bom, mas não gera a vontade de aprender. bacana o método de ensino. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem isso sim. O professor de filosofia da Anna fez ela gostar e muito da materia, ou vice-versa tb. Mas ele é bom. Já a professora de Matematica é maravilhosa, acho ate que a preferida da Anna, no entanto, ela não é muito boa nos numeros nao ( teve a quem puxar). Mas quem sabe muda. Percebo em muitas pessoas, jovens adultas, a capacidade de serem boas em todas as "matérias". Isso abre muitas portas. Bjao Pedrita. Aproveite o feriado!!!

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Simplesmente sensacional, Camille, este método abrangente de ensinar, abordando os vários aspectos de um período histórico. Igualmente fascinante é o trabalho desenvolvido em Língua Portuguesa - garotas e garotos lendo e se inspirando nas aventuras e desventuras do Cavaleiro da Triste Figura é uma notícia extremamente auspiciosa para aqueles que, como eu, olham para além do tempo presente e especulam sobre as perspectivas futuras da nossa sociedade. Com uma geração assim formada haverá luz no fim do túnel - luzes com as cores do arco-íris. Parabéns ao mestres. Dê os parabéns também para a tua filha, a preocupação e solidariedade dela para com os menos afortunados é louvável e comovente, especialmente considerando a sua pouca idade (as crianças costumam ser egoístas). Trata-se de uma jovem cidadã. Congratulações também para você pela excelente criação que está proporcionando a ela.
    (Não tens como me avisar, através do mensagem encaminhada pelo facebook, sempre que atualizares o blog? - estou afastado da blogosfera por falta de tempo e porque me deixei seduzir pelo FB. Sei que é possível, a nossa amiga Luma - sempre ela - sabe como se faz). Beijo e um ótimo domingo para você e a filhota.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais uma vez grata , Jens, sei que voce é tão bom leitor quanto bom escritor. Bacana ter escolas mais conscientes de seu papel no futuro do mundo. E não no passado arcaico como a gente ve por ai ne?
      Beijos e retorne a blogosfera!!!!

      Excluir
  6. A gente tem que procurar uma escola que agregue valores e traga o melhor para os filhos.
    Domingo é dia de muso!
    Big Beijos
    Lulu
    http://www.luluonthesky.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. É isso ai Lulu.
    Vi teu muso e concordei, o Cazarre ne? Mas acho que nao consegui colocar um comentario, nem sempre consigo. Agora nao lembro. VOu olhar de novo. Bjao e boa semana!!!

    ResponderExcluir
  8. [Cam, qualquer dia apaga o link do meu blogue da tua barra lateral e põe de novo, vamos ver o que acontece. É blogspot sim, é: www.janelapessoal.blogspot.com Bjs!]

    ResponderExcluir


COMENTE, DÊ A SUA OPINIÃO. Você é a pessoa mais importante para quem escreve um blog: aquela que lê, que gosta ou não gosta, e DIALOGA.
Bem vindas. Bem vindos. Você pode comentar, escrever seu nome e para facilitar, clicar na opção "anonimo", ou pode se inscrever e comentar. Acho a opção, que se coloca o nome e uma forma de contato, + a opçao anonimo, VALIDA. Grata e aguardo seu comentário.