26 novembro 2006

Ajuda de todo o lado

De uns tempos para cá comecei a achar que as pessoas me pediam muita ajuda mas nunca se ofereciam para me ajudar em nada. Como o ser humano não apenas pensa, mas também reflete, já diria o meu novo querido, o Heidegger( ressalva para lance nazi que ja vimos aqui), comecei a refletir sobre a questão. E também a pedir algumas ajudas em momentos de necessidade. Talvez só para testar, mas estava precisando mesmo.
Ai passei a ver com muita clareza, não só que as pessoas ao meu redor estão disponiveis para me ajudar a qualquer momento, como tem o maior prazer nisso, sem querer nada em troca. Pelo menos nada de imediato e explicito. Uma vez que o mais abnegado dos seres sempre quer alguma coisa em troca, nem que seja gratidão, reconhecimento.
Assim, neste momento em que me mudei, uma mãe da escolinha antiga da minha filha, vendo a minha total falta de tempo e vontade de cumprir com várias coisas, se ofereceu para ir a 25 de março comprar lembrancinhas para a festa de aniversario da minha pequena. Não só comprou, como empacotou montes de saquinhos no maior capricho e beleza. Assim só para ajudar.
Sabado agora, para dar um exemplo mais recente, eu estava aqui as voltas com um estudo bastante complexo. Liguei para uma amiga que conhece mais o assunto do que eu. Ela se dispos a escrever páginas e páginas ( digita com mais dificuldade) para esclarecer minhas duvidas e foi me mandando tudo isso de tanto em tanto tempo via fax, madrugada afora.
Esses são pequenos exemplos. Mas são do tamanho das minhas solicitações. Em outros momentos da vida precisei de outro tipo de ajuda- dinheiro, conselhos dificeis, apoio, e sempre tive quem me desse a mão.
Hoje procuro ajudar sim, quando posso e como posso aos meus queridos amigos. E agora vejo mais clara a situação. Continuam todos a disposição do que eu precisar. Graças a Deus tenho precisado menos. E já posso estar no lugar de ajudar. Isso é muito bom mesmo. Agredeço a toda a ajuda que recebi até hoje. Isso fez de mim uma pessoa melhor, mais confiante e mais feliz. E você, como se relaciona com o tema ajudar e ser ajudado em suas necessidades quaisquer que sejam? Boa semana.

12 comentários:

  1. Oi!!!!

    Grandes perdas. O Philipe e o grande Robert Altman... E o cinema vai tentado viver, né?

    Abração

    ResponderExcluir
  2. Camille, acho que isso me faz uma falta danada. Não tenho isso por aqui e ate mesmo para pedir a minha sogra para olhar minha pequena já foi um problema. Algumas pessoas são extremamente egoistas para poder abrir essa porta, esse doar-ajudar.

    Mas continuarei procurando o caminho.
    beijocas

    ResponderExcluir
  3. Dentro de minhas possibilidades ajudo. E não gosto de pedir ajuda...

    ResponderExcluir
  4. Ajuda, nao gosto de pedir, mas gosto de ajudar. Tenho que equilibrar isso! bjs

    ResponderExcluir
  5. Oi Camille,

    eu acho que a gente tem que ajudar sempre que pode. E quando precisar de ajuda, pedir socorro....


    Beijo grande

    ResponderExcluir
  6. Ajuda. Taí um assunto que não se acaba nunca. Quando e quanto dar e quando e quanto receber? A doação deve ser incondicional e sem medidas, e parece difícil. Mas muito mais difícil pode ser saber receber sem impor condições e medidas também. Nossos limites e os do outro são sempre testados quando estamos numa situação de dar ou receber ajuda. Mas é por isso, também, que é nestas situações que esses mesmos limites podem ser transpostos e ampliados. Beijos, querida. Olha, eu convidei você lá no Terra Temperamental para uma brincadeira, espero que não se incomode. Se não quiser, não faça.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo08:25

    Sempre fui alto-suficiente e ajuda só procuro quando a coisa aperta. Daí peço, do contrário prefiro fazer as coisas do meu jeito. Sou bastante prestativa e perco um tempo enorme resolvendo assuntos que indiretamente me envolvem mas que não são da minha alçada. As pessoas sabem desse meu jeito prontificado e exploram. Estou aprendendo a dizer não.
    Bom dia!! Beijus

    ResponderExcluir
  8. Há um trecho na Bíblia de que gosto muito, fala da gratuidade nas relações LUCAS 6, 27-36:

    Certa ocasião Jesus disse à multidão que o seguia:

    "Amem os seus inimigos, e façam o bem aos que odeiam vocês. Desejem o bem aos que os amaldiçoam, e rezem por aqueles que caluniam vocês.

    Se alguém lhe dá um tapa numa face, ofereça também a outra...

    O que vocês desejam que os outros lhes façam, também vocês devem fazer a eles. Se vocês amam somente aqueles que os amam, que gratuidade é essa? Até mesmo os pecadores amam aqueles que os amam. Se vocês fazem o bem somente aos que lhes fazem o bem, que gratuidade é essa? Até mesmo os pecadores fazem assim..."

    Eu escrevi um texto em meu blog no dia 22/05/2006 sobre este tema.

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  9. Oi querida,
    a vida toda me preocupei mais com os outros do que comigo, sempre ajudando, trazendo gente pra minha casa, resolvendo problemas até que me dei conta que o espaço estava pequeno pra mim, que faltava eu na minha vida, na vida dos meus filhos...hoje sei medir esforços, ainda tenho muito de Irmã Paula[segundo os que me conhecem, eu mesma nem sei quem é a dita irmã,rss] mas penso muito antes de sair dando minha roupa do corpo...
    linda noite,flor
    beijosssssssssssss

    ResponderExcluir
  10. Taí um tema que me deixa atrapalhada. Eu não sei pedir ajuda, é quase uma timidez enlouquecida. Me esforço por ser auto suficiente, mesmo sabendo que isto é utopia. Por outro lado, sempre me sinto devedora em ajudar os que precisam, quase como se me sentisse culpada pelas misérias do mundo. Estou sempre disposta a ajudar, mas nunca sei os limites.
    Freud explicaria? rss
    Carinhos Camille

    ResponderExcluir
  11. Eu sempre fui mais de ajudar que ser ajudada, mas acho super gratificante qd alguém a quem eu nem pedi nada vem e faz algo gratuitamente por mim. A gente merece ser mimada de vez em quando minha amiga ;). Um cheiro.

    ResponderExcluir
  12. luiza07:26

    Querida Camélia, ajudar é meu sintoma, a ponto de ter escolhido a profissão que escolhi. Mas ao longo dos anos aprendi a dosar e, o que é mais importante, aprendi a receber, coisa que nem todas as pessoas sabem.
    Estou sempre dispota a ajudar meus amigos e sempre encontro neles o apoio que necessito.
    Beijos, Luiza

    ResponderExcluir


COMENTE, DÊ A SUA OPINIÃO. Você é a pessoa mais importante para quem escreve um blog: aquela que lê, que gosta ou não gosta, e DIALOGA.
Bem vindas. Bem vindos. Você pode comentar, escrever seu nome e para facilitar, clicar na opção "anonimo", ou pode se inscrever e comentar. Acho a opção, que se coloca o nome e uma forma de contato, + a opçao anonimo, VALIDA. Grata e aguardo seu comentário.