03 setembro 2006

"A BAIXA-ESTIMA, ALIMENTO DO PODER

Vivemos tão obsecados com nossa VISÃO EMPOBRECIDA SOBRE NÓS MESMOS, que não paramos para observar e constatar que o outro seguramente vive o mesmo que nós.
Descobri, através do tempo, que a baixa-estima ou a auto-invalidação é um sentimento comum a todos nós.
As máscaras de proteção que usamos variam em suas côres: a segurança, o esnobismo, o orgulho, a timidez, a cara fechada e a antipatia nada mais são que nuances nos disfarces do sentimento de inferioridade que nos atinge a todos.
E por que isso? Uma doença generalizada que machuca o coração, a alma, o corpo, causando infelicidade e destruição, contaminando a todos, independente da criação familiar, religiosa, cultural ou do meio social a que pertençemos... ?
Tenho diagnosticado essa doença, em todos os meus alunos, não apenas aqui do Brasil, o que poderia ser considerada a síndrome do terceiro mundo, mas também em americanos e europeus.
Recebemos maciçamente, desde que nascemos, informações diretas ou indiretas de que somos pequenos, menores, imperfeitos, pecadores!
Permanentemente manipulados pelo PODER, para que ele possa subsistir, através da CULPA de não correspondermos ao que seria esperado de nós.
Em casa a mensagem é:
- Por que você não é igual à mim ( ao seu irmão, ao filho da vizinha, ao fulano)?
- Você é frágil, precisa de mim para te proteger.
- Contente-se com o que tem; já é mais do que merece.
- Me sacrifiquei a vida inteira por você...
Na religião:
- Você pecou!
- Você tem que ser melhor do que é.
- Cristo morreu na cruz para te salvar. Arrependa-se dos seus desejos!
Do estado:
- Você não pagou os impostos como devia.
- Aí estão os pobres passando fome.
- Rico é ladrão; empresário é explorador.
- Divida o que ganhou, com os outros.
- Cuidado com a fiscalização.
Social/Cultural:
- Somos sub-desenvolvidos.
- Pertencemos ao terceiro mundo.
- Tudo que é estrangeiro é melhor.
- Lá sim, eles sabem o que fazem!
- Produto nacional é uma merda!
Somos permanentemente bombardeados com milhares de informações que querem nos dizer a mesma coisa:
- VOCÊ É MENOS!
Dessa forma passamos a vida inteira nos escondendo com medo de que descubram que não somos o que pensam que somos: muito inferiores ao "outro"!
O que não imaginamos é que o "outro" está sentindo e fazendo a mesma coisa, ou seja, tentando manter-nos "embaixo" para que possam sentir-se "em cima".
Vítimas do "sistema", nos relacionamos através das máscaras, sempre representando para o "outro", tentando convencê-lo que "também somos"; fossilizados em nossa inferioridade.
Culpa!
De sermos o que somos...e incrívelmente iguais! "

(Do livro RESGATE DE UM CASAMENTO Edit. Rocco - ANNA SHARP)

7 comentários:

  1. Este texto, realmente, disse tudo o que se passa comigo. "Dessa forma passamos a vida inteira nos escondendo com medo de que descubram que não somos o que pensam que somos: muito inferiores ao "outro"!" é exatamente o que acho que tenho feito aqui. E justamente eu estava pensando quanto isso traz de cobranças, auto-cobranças. Beijos, querida, foi bom ler isso. P.S.: Ah, aquele texto sem título é meu mesmo, obrigada pelo comentário. O do Drummond é o que está abaixo. Da quinzena Drummond, que acabou. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Camille, vemos esse tipo de situação mais do que deveríamos no nosso dia a dia. A verdade é que cada ser humano é único e não deve ser comparado. Muitas mãe querem impor a sua personalidade ao filho, sufocando de alguma forma e contribuindo para a sua infelicidade. Essa mesma criança quando chega na escola, é antipatizada porque ataca os colegas e os pais não percebem o próprio erro, culpam a escola.
    Fica uma briga de gato e rato. Esses pais não corrigindo as suas atitudes, farão dessa criança um adulto solitário.
    Esse é um exemplo. Vemos esse tipo de atitude não só de pais para com os filhos, mas entre irmãos, marido e mulher e amigos. Tá na hora de cada um aceitar os próprios erros.
    Boa semana!! Beijus

    ResponderExcluir
  3. O que dizer??? É bem isso!
    Uma verdade verdadeira!

    Boa semana para ti!
    Beijinhossssss

    ResponderExcluir
  4. Camille, você disse tanta coisa que me toca tanto...... e Principalmente o mundo de minha irmã, esses ultimos dias me peguei comparando por demais, já decidi vou mudar......Quero viver minha vida sem comparar pedaços. A gente vira um pedaço de superfluxo, sem dar conta de si.....

    ps. vc. disse que mexe com moda, por coencidência minha irmã é estilista. Talvez vc. a conheça. Seu ex.marido era o Jotta Sybalenna, vc. o conhece?
    beijos

    ResponderExcluir
  5. Poxa amiga fiquei arrsasada porque me reconheci neste texto, eu sofro sim de auta baixa-estima ou seria baixa auto-estima...e acho que é por todos esses motivos que vc colocou neste post sobre o tema...me fez pensar. Um cheiro no coração, uma ótima semana, e me diz teu e-mail, lá no koukla tem os meus ;).

    ResponderExcluir
  6. Ui, esse texto calou fundo! Eh incrivel como entro aqui e sempre tem um post legal de se ler! bjs

    ResponderExcluir
  7. Eu sei bem como é que é isso....bom feriado!

    ResponderExcluir


COMENTE, DÊ A SUA OPINIÃO. Você é a pessoa mais importante para quem escreve um blog: aquela que lê, que gosta ou não gosta, e DIALOGA.
Bem vindas. Bem vindos. Você pode comentar, escrever seu nome e para facilitar, clicar na opção "anonimo", ou pode se inscrever e comentar. Acho a opção, que se coloca o nome e uma forma de contato, + a opçao anonimo, VALIDA. Grata e aguardo seu comentário.