20 fevereiro 2011

Palavras para queimar. E palavras para descongelar.


Faz pouco tempo que li um dos muitos inspirados posts da Georgia e toda a história não me saiu da cabeça: a professora da escola da filha que ensinou aos alunos a "queimar" as palavras feias, literalmente. As crianças escreviam as palavras que consideravam feias e agressivas e depois botavam fogo mesmo. Belo rito. Excelente aprendizagem para todos nós.
Seu eu pudesse, queimaria sim algumas palavras que já disse na vida. Inclusive alguns palavrões que como típica carioca( que desculpa boa...) ainda fazem parte do meu vocabulário- hei de queimá-los, mesmo os que digo apenas como expressão de alegria- ai que vergonha! Bom, não sou tão desbocada assim. Li alguma coisa sobre Chefs de cozinha recentemente, e perto do que li, sou quase uma santa das palavras. Não importa, estou mudando o rumo da conversa.
O fato é que pensei em me propor, e propor a quiser também, o contrário da "queimação". Digamos que, algumas palavras para descongelar. Pode ser um bom termo. Que possamos colocar nossa alma num verdadeiro Spa, por uma semana para começar. Nos esforçando para pensar na vida pelo lado mais ameno, criar mentalmente imagens construtivas e banir as que forem "pra baixo", principalmente as que nosso pensamento viciado costuma revisitar. Fazer do dia inteiro um momento de meditação. Vai dar trabalho? No começo vai sim. Mas depois certamente vamos nos acostumar.
Uma boa dica é preferir assistir comédias ao invés de dramas( eu e meus filmes. Mas é nesse caminho que prefiro os Burlesque da vida do que os Cisnes Negros. Não confie tanto assim no meu gosto para filmes amigo Jens.) Aprendi por aí que algumas imagens e assuntos " arranham a nossa memória".
No mais, podemos fazer tambem como fazem as pessoas sábias: falar hoje mesmo aquilo de bom que temos a dizer a alguém ao invés de deixar para amanhã. Tirar o NÃO do início das frases, como acabei de fazer com o "não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Já dizia a neurolinguística- o inconsciente deleta o "não" e a frase fica " deixe para amanhã..." Então, façamos hoje.
Vou experimentar essa receita. A mim parece saudável. Se você tiver alguma dica de comportamento para dar nesse sentido, deixe aqui por favor. Estou aceitando feliz da vida.
No mais, amo a todos que amo. E e posso amar muitos mais. Aprendo com minha filha que todos os dias já acorda dizendo: "estou tão feliz hoje". Mas isso já é assunto para outro post.
Fico por aqui. E desde já, no exercício das palavras para descongelar. Obrigada Georgia, e a todos vocês, por compartilhar suas histórias inspiradoras.

DICAS DE COMÉDIAS E FILMINHOS LEVES, PARA QUEM VIVER ESSE MOMENTO SPA DA ALMA:
-Familia Moderna ( O primeiro que disse)-Minhas mães e meu pai-Vicky Cristina Barcelona-Julie e Julia-Stones Shining a Light, de Scorsese-Like Stars on Earth-The Concert-Juntos Pelo Acaso-Sem Reservas- Whatever Works-Eu também-Amor a Disntacia-Moscow, Belgium- Just Wright-Mulher Invisível ( imperdivel)- Cartas para Julieta-Você Outra Vez-Boogie Woogie- Um Heroi do nosso Tempo-Vida e Arte de Georgia O'Keeffe- The Runaways-Eu os declaro marido...E Larry-
(ESSA JA É UMA BOA LISTINHA PARA BAIXAR OU PROCURAR NA LOCADORA MAIS PROXIMA. DIVERSÃO GARANTIDA)
(Imagem encontrada em busca no Google no site: http://sovereigntyangel.blogspot.com/ Se tiver direito autoral, favor avisar que acrescento aqui os créditos ou retiro a imagem)

10 comentários:

  1. Oi Camille.
    Gostei da idéia de abolir o "não" do início das frases. Legal ser otimista e propositivo para variar. Quanto às palavras, o problema, frequentemente, é o uso que fazemos delas. Os discursos dos políticos são um exemplo de mau uso.
    Aceito a recomendação de mudar meus hábitos cinematográficos - só tenho visto filmes soturnos ultimamente.
    Ainda nesta seara, me permito indicar um filme que acho que vais gostar: O Segredo dos Teus Olhos - uma produção argentina. Gostaria de ler teu comentário à respeito. Se por acaso já o fizeste, me indica o link.

    Beijo e uma boa semana pra você.

    ResponderExcluir
  2. É isso aí, Camille, vamos queimar certas palavrinhas ou palavrões. hehe
    Lembro bem do post da Georgia e achei a idéia da professora alemã perfeita, ajuda a criança a obter uma visualização cognitiva quando ela coloca a tal palavrinha na fogueira.
    Perfeita também esta idéia de nunca começar uma frase com a negativa, pois fica na memória o resto da frase e eu ainda não havia pensado sobre isso.
    Mas, de uma maneira geral, sou otimista e não gosto de usar termos que tragam negativismo para a vida.
    Muita gente pensa que eu sou sempre alegre e feliz, mas claro tenho lá meus momentos difíceis, só que não amplio isto para as palavras ou envolvo outras pessoas quando me ligam ou me conhecem.
    Muito legal esse post. amei!
    beijinhos cariocas

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Cam!!!

    Eita post porreta, viu.

    Eu sou uma boa carioca, rs e falo palavroes. Comecei a me policiar qdo o Daniel comecou a dizê-los tb numa forma de repetir a palavra/ao, que a mamae vivia dizendo. Já dei uma melhorada, mas preciso melhorar em outros aspectos.

    Gostei das tuas dicas e principalmente cortar os Naos do início das frases, vou me observar porque nao sei se falo assim, certamente que sim.

    Uma das coisas que tomo muito cuidado é com o que assisto. Eu sou problemática, nao assisto qqr coisa. Dou 8 minutos do meu tempo para que um filme me convenca que eu deva continuar a assistí-lo e depois eu digo adeus e vou fazer uma outra coisa. Tb nao assisto filmes de violência. Prá quê? Para eu ficar revoltada e cheia de raiva? Melhor que nao. Entao, sou eu quem decido o que os meus olhinhos deve ver e nao alguém que decidiu colocar aquele filme na programacao do dia.

    Cam, compre o livro: As 5 linguagens de Amor de Gary Chapmann. Vc nao vai se arrepender. Ele tem para crianca, para adolescentes e para casal. O título é o mesmo só muda nas definicoes.


    Um grande beijo

    ResponderExcluir
  4. o risco das palavras. tanto q penso muito qd escrevo, até mesmo nos comentários, pq uma má interpretação pode ocasionar muitos dissabores. acho q eu tb gostaria de ter tirado umas palavras que soltei inadvertidamente na vida. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  5. Oi Camille. Sabe, eu tirei as notícias ruins da minha vida. Aparece uma desgraça no jornal da TV? Mudo de canal. Quando leio o jornal de manhã, me deparo com uma notícia desgracenta? Viro a página...aprendi com meu amigo Marcelo Dalla a mudar de canal quando o dial está sintonizado em algo ruim. Não deixo mais o "mal" entra na minha casa nem em mim. Evito, claro que nem sempre consigo. Faço assim tb com as pessoas...não entro na pilha delas mais. Já entrei, já mergulhei sim! Confesso. Mas hj dou tanto valor à mim mesma, aos meus sentimentos, à minha auto estima, que deleto o que ou quem não tem nada a me acrescentar. Simples, saudável e prático. Estou muito mais leve e tranquila com minha consciência assim. beijos, ótimo post!

    ResponderExcluir
  6. Vixe! Tenho que me policiar muuuito.
    Não sou de viver com palavrões na boca a toda hora, maaas... vez ou outra, solto um, só para descarregar, e sempre temos a impressão que as coisas se resolvem né?
    Legal, prometo que vou pensar nisso com muito carinho.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  7. hehehehe!
    vai ser um fogaréu...!
    bj
    ps: QQQ é a Marcia Clarinha!

    ResponderExcluir
  8. Gosto da idéia da abolição do "não" (pratico isso com minha neném de 8 meses... Como é difícil...), mas refuto a idéia de "queimar" palavras: além do tom nazi-fascista (eles queimaram livros, não?!), não me parece saudável o banimento, o ostracismo ou a destruição de idéias, não importa quais sejam: afinal, mesmo os mais sujos palavrões podem ser bem usados e libertos, se soltos num bom contexto!

    Também discordo do "ver comédias" para fugir dos dramas... A depender de algumas comédias citadas (com todo respeito a seu gosto, caríssima, mas "Mulher Invisível", com Luana Chatovanni, e "Eu os declaro Marido e Larry"... Já "Vicky Cristina Barcelona" é excelente e não ´tão "leve", não...), prefiro correr até para um Terror 'gore'! E "Cisne Negro" é bonito, profundo na dualidade de uma alma reprimida, com tons de terror, num ritmo de mergulho lancinante... Não crie preconceitos como este: taí a discrepância com tuas novas e alegóricas teorias de bom viver, rs... Abração!

    ResponderExcluir
  9. Como é difícil queimar certas palavras, incluo na sua lista aquele filme De repente30 que é uma delícia de assistir.
    Big Beijos

    ResponderExcluir
  10. É mesmo Lulu, esse filme é uma gracinha. Boa dica. Bjos

    ResponderExcluir


COMENTE, DÊ A SUA OPINIÃO. Você é a pessoa mais importante para quem escreve um blog: aquela que lê, que gosta ou não gosta, e DIALOGA.
Bem vindas. Bem vindos. Você pode comentar, escrever seu nome e para facilitar, clicar na opção "anonimo", ou pode se inscrever e comentar. Acho a opção, que se coloca o nome e uma forma de contato, + a opçao anonimo, VALIDA. Grata e aguardo seu comentário.