12 agosto 2010

O Mosteiro Zen

"Estudar o Zen é estudar a si mesmo.
Estudar a si mesmo é esquecer de si mesmo.
Esquecer de si mesmo é estar uno com todas as coisas."
Mestre Dogen

Hoje acordei e logo lembrei do mosteiro Zen, para onde fui uma vez. Talvez tenha sonhado com isso, ou seja um desejo escondido, uma necessidade de voltar aquele lugar. Quando estive la, precisava muito de um descanso, de umas férias de tudo. E uma amiga me sugeriu o mosteiro. Ela é jornalista, uma pessoa altamente esportiva e ecológica. E tinha ido numa época diferente da que eu fui. Estive lá num verãozão, marcando 50 graus a temperatura. Mas a sensação termica parecia ainda mais quente. Dificil para meditar.
Passado tanto tempo, olho para as fotografias de um livro que trouxe de lá e a sensação de calor abrasador ja se apagou. Ficou na minha memória um lugar lindo, com muita alegria. Eu pensei que estaria em silêncio o dia inteiro. Mas entre as muitas horas de medição, havia muita conversa, muita garotada, muita risada e pessoas de idade variada, trocando ideias e tambem, se disciplinando.
As quatro horas da manhã, se ouvia o som de um instrumento metálico. Era a hora de chegar para meditar. Eu tinha que levantar correndo para não entrar atrazada no lugar de meditação. No primeiro almoço, uma surpresa: nenhum grão de comida podia ser deixado no prato. E niguém levantava da mesa sem que todos tivessem acabado. Assim, ficaram me observando ter a coragem de jogar uma aguinha quente que havia numa vasilha a disposiçao, no meu prato, dar uma mexida, e colocar para dentro o que restava até deixar o prato completamente vazio e branquinho. Me senti como naquele programa "Limite", em que as pessoas tinham que comer olho de cabra, ovo galado, entre outras esquisitices. Pura frescura da minha parte. Precisava apenas comer o resto da minha comida. Mas estava feito criança, me recusando. Durou pouco. Não aguentei todos os olhares sobre mim e obedeci. Na refeição seguinte, já estava avisada e logo me acostumei.
As tarefas eram divididas entre todos. E como era a minha primeia ida a esse mosteiro, fiquei com a parte da cozinha. Além do mais, por sorte, quando preenchi um questionario na chegada, em que me consultavam sobre o que eu sabia fazer, respondi cozinhar , dentre um tanto de outras coisas que não tinha a menor utilidade ali. Mas eu não sabia o motivo da pergunta e fiquei constrangida depois. Pura besteira. Através da filosofia Zen, começamos a perceber que nada daquilo que atribuimos um enorme valor de fato importa. Nada é tão relevante. Então a idéia é não fixar o pensamento em nada, durante as sessões de meditação Zazen. Não é facil de primeira. É preciso muito treino. Experimente sentar e observar seus pensamentos e tentar "mandá-los embora". É ai que percebemos o quanto nos fixamos em alguns assuntos que voltam, voltam e voltam outra vez.
O fato é que, mesmo com alguns momentos de descontração, o que estava em questão ali era muita disciplina. Educar o corpo, educar a alma. Dentro de um ambiente absolutamente lindo e ao mesmo tempo despojado. Com uma comida natural e deliciosa. Uma natureza selvagem, com jardins impecavelmente tratados. E toda a nossa propria natureza em bruto, passada em revista, para apreciarmos, aguentarmos e domarmos com firmeza.
Quero voltar a esse mosteiro. Quem sabe até fazer as minhas idas lá serem mais frequentes. Me falta disciplina, força de vontade, educação física e mental para ser Zen. Mas se eu for determinada posso chegar lá. Espero que sim.
Sou grata a aqueles momentos que passei ali.

Link para o seminário sobre Crop Circles, de Anna Sharp. Inscreva-se já.
Esta é uma oportunidade para descobrirmos o que existe no Universo, além de nós:

www.seminariofenomenoplantacao.com.br

9 comentários:

  1. Esse exercício de não pensar em nada, mandando tudo que vem à cabeça embora, pelo que li em vários lugares, trás enormes benefícios à mente, consequentemente ao corpo. Tentei durante anos deixar a pecha de sofisticação e prepotência, hoje já me sinto muito mudado comparado com minhas atitudes de alguns anos atrás. Talvez um intensivo num lugar desses me traria bem estar

    =)

    ResponderExcluir
  2. Oi Cam! Comecei a ler o seu texto e pensei "me leva junto?". Vejo-me repetindo frase desconexas de discussões que nunca chegaram de fato a acontecer, mas, temerosa de não saber me defender, ensaio para não desabar e começar a chorar: o motorista de ônibus que me corta na rua, o vizinho que deixa o lixo destampado, ih, a lista pode crescer. Mas o fato é, ninguém deve se preparar para a defesa. Nem para o ataque, peloamor (!). Deveríamos ser mais gentis conosco e com o próximo, e não esperar que o pior seja a primeira reação do outro. Por isso, sim, adoraria uma temporada em um mosteiro!
    Um beijo, Deia!
    PS: AS outras coisas que você listou já são hábito aqui em casa, tiraria de letra (menos, acordar às 4 da manhã para meditar - definitivamente seria a minha dificuldade a ser superada!)

    ResponderExcluir
  3. Cam, eu fui a um Mosteriro sueco, mës passado....Depois posto as fotos...
    E..estava quente..mas pensei muito,
    bjs e dais felzies

    ResponderExcluir
  4. Deve ser interessante esse exercício de mandar tudo q vem a cabeça embora, ainda mais em mosteiro q vc deve encontrar uma paz infinita lá dentro.
    Big Beijos

    ResponderExcluir
  5. Cam,

    Estava precisando ler isto. Quem sabe um dia aprendo a meditar? Talvez eu só tenha que esperar um pouco as crias crescerem, não é? rs!

    Olha, a parte em que você se sentiu como no programa "No Limite" foi especialmente engraçada! Dei uma gargalhada daqui! Gostei da comparação e certamente eu me sentiria da mesma forma!

    Bjs,
    Michelle

    ResponderExcluir
  6. Oi.
    Apenas neste momento, quero te contar que estou repassando por e mail o endereço do curso.
    Depois eu fico zen e venho cá com mais calma.
    Um abraço e por favor, vá comprar um sapato vermelho.

    ResponderExcluir
  7. Oi Cam! Muito obrigada pela oracao para limpar a mente! Ja estou usando! Rsrs. Vou visitar o site do Mosteiro sim, acho que seria uma experiencia otima na minha vida! Beijos, Deia

    ResponderExcluir
  8. Cam, deve ter sido uma experiência maravilhosa! Sair um pouco desta vida corrida, acalmar a mente...
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Em lugares assim que constatamos o quao apegados estamos em coisas que não são essenciais. O principal é saber respirar, né? (rs*) Fiquei cá com meus botões pensando e se você não tivesse dito aquilo que soubesse fazer, o que fariam com você? :) Boa semana! Beijus,

    ResponderExcluir


COMENTE, DÊ A SUA OPINIÃO. Você é a pessoa mais importante para quem escreve um blog: aquela que lê, que gosta ou não gosta, e DIALOGA.
Bem vindas. Bem vindos. Você pode comentar, escrever seu nome e para facilitar, clicar na opção "anonimo", ou pode se inscrever e comentar. Acho a opção, que se coloca o nome e uma forma de contato, + a opçao anonimo, VALIDA. Grata e aguardo seu comentário.